Declaração de Montreal sobre a Exploração Animal

Declaração de Montreal sobre a Exploração Animal

Declaração de Montreal sobre a Exploração Animal

Translated with DeepL – Revisado por Taylison Santos

Somos pesquisadores de filosofia moral e política. Nosso trabalho está enraizado em diversas tradições filosóficas e raramente temos uma só vertente de pensamento. Entretanto, concordamos com a necessidade de uma transformação fundamental de nossa relação com outros animais. Condenamos todas as práticas que envolvem tratar os animais como coisas, objetos ou mercadorias. 

Na medida em que envolve violência e danos desnecessários, declaramos que a exploração animal é injusta e moralmente inaceitável. 

Em etologia e neurobiologia, está bem estabelecido que mamíferos, aves, peixes e muitos invertebrados são sencientes, ou seja, capazes de sentir prazer, dor e emoções. Estes animais são sujeitos conscientes; eles têm sua própria visão do mundo ao seu redor. Além de que, eles têm interesses: nossos comportamentos afetam seu bem-estar e são suscetíveis de fazer-lhes bem ou mal. Quando prejudicamos um cão ou um porco, quando mantemos uma galinha ou um salmão em cativeiro, quando matamos um bezerro por sua carne ou uma marta (furões) por sua pele, estamos violando seriamente seus interesses mais básicos.

No entanto, todos esses danos poderiam ser evitados. É claro que é possível não usar couro, assistir a touradas e rodeios, ou mostrar para as crianças os leões trancadas em zoológicos. A maioria de nós já podemos abdicar dos alimentos de origem animal e ainda ser saudável, e o desenvolvimento futuro de uma economia vegetariana tornará isto ainda mais fácil. De um ponto de vista político e institucional, é possível deixar de ver os animais como meros recursos à nossa disposição. 

O fato de estes indivíduos não serem membros da espécie Homo sapiens não muda isso – embora pareça natural pensar que os interesses dos animais são menos importantes do que os interesses comparáveis dos seres humanos, esta intuição especista não resiste a um exame minucioso. Sendo todas as outras coisas iguais, a filiação a um grupo biológico (seja delimitada por espécie, cor da pele ou sexo) não pode justificar desigualdades de consideração ou tratamento. 

Há diferenças entre humanos e outros animais, assim como há diferenças entre indivíduos dentro das espécies. Certamente algumas habilidades cognitivas sofisticadas dão origem a interesses especiais, o que, por sua vez, pode justificar um tratamento especial. Mas a capacidade de um indivíduo de compor sinfonias, de fazer matemática avançada ou de projetar-se num futuro distante, por mais admirável que seja, não afeta a consideração devido ao seu interesse em experimentar o prazer e a liberdade da dor. Os interesses dos mais inteligentes entre nós não importam mais do que os interesses equivalentes dos menos inteligentes. Argumentar o contrário seria classificar os indivíduos de acordo com uma faculdade que não têm relevância moral. Tal atitude capacitiva seria moralmente indefensável.

Em suma, é difícil escapar da conclusão de que, como a exploração animal prejudica os animais desnecessariamente, ela é gravemente injusta. É, portanto, essencial trabalhar para seu desaparecimento, em particular fechando matadouros, proibindo a pesca e desenvolvendo a agricultura de produtos à base de vegetais. Não temos ilusões de que isto será conseguido a curto prazo. Em particular, exige o abandono de hábitos especistas profundamente enraizados  e uma grande transformação de algumas de nossas instituições. Entretanto, o fim da exploração animal nos parece ser o único horizonte coletivo que é ao mesmo tempo realista e justo para os não-humanos.

Lista de signatários

Se você é um pesquisador em filosofia moral ou política, você pode co-assinar a Declaração aqui.

Também estão disponíveis versões em alemão, árabe, dinamarquês, espanhol, esperanto, francês, grego, inglês, italiano, Russo, suaíli e turco.